terça-feira, 31 de março de 2009

A música na casa espírita.

Caros companheiros do ideal musical espírita.
A arte espírita ainda é algo embrionário, no sentido de que ainda não conhecemos e entendemos o seu real valor e significado. Muito ainda temos a trabalhar para vislumbrarmos nossas possibilidades de criação e participação na obra divina, aprendendo a traduzir em arte nossos mais profundos sentimentos sublimados. A vaidade e o orgulho são pedras para o tropeço dos artistas, que, às vezes, querem ser maiores que suas obras. E isso acontece também no meio espírita.
Por falta de expressão adequada, ainda a chamamos de “Arte Espírita”, "Música Espírita". Mas, no futuro, certamente teremos outra nomenclatura mais universalista.
Por ora, cabe ao artista que milita no ambiente espírita, primeiramente, buscar seu aprimoramento e autoconhecimento, para entender melhor qual é seu papel nesse meio. Tentar forçar a aceitação da arte espírita nos centros é tarefa das mais difíceis, pois parte-se do pressuposto que as pessoas gostarão de todo e qualquer trabalho levado ao palco, apenas por ser espírita. Um olhar mais consciente verificará que acontece muitas vezes o contrário: não só por falta de técnica, de espaço, de equipamentos etc, mas também por falta de um teor mais profundo nas canções, nos textos teatrais e nos versos. Nem sempre a arte que se propõe é suficientemente lapidada para ocupar seu espaço.
Antes de subirmos ao palco, é necessário cativar o público aqui em baixo. E será esse mesmo público que nos dirá o momento certo de encenar, de fazer uma apresentação musical, de declamar nossos versos. Hoje, pela facilidade da tecnologia, o músico grava um CD e depois vai divulgá-lo, querendo que todos comprem seu trabalho só porque é espírita. O ator escreve uma peça de sua própria inspiração, sem embasamento teórico, sem estudo, e a encena, despreocupado com as impressões que irá causar no público, confiante que a Espiritualidade aplaude e toma conta de tudo. Porém, devemos procurar as pessoas realmente interessadas na melhoria de nosso trabalho para colher delas críticas salutares e verdadeiras. Os amigos muitas vezes não nos ajudam com elogios demasiados. Saibamos nos preparar para o “não gostei”, “podia ser melhor”, "acho que não está bom ainda”, porque só assim saberemos onde temos que melhorar. E sempre podemos melhorar. O Espiritismo merece essa dedicação, cumprindo sua missão de emissário fiel da mensagem do Cristo.
Os dirigentes das casas espíritas são muitas vezes arraigados em costumes antigos e não permitem que o jovem manifeste sua criatividade, é verdade. Negam-se a apoiar a arte por medo do que possam estar divulgando sem a devida orientação. Mas então, quem poderá orientá-los sobre como fazer corretamente?
Os artistas espíritas estão querendo fazer o melhor, porém acham-se, às vezes, perdidos, sem saber o que fazer com sua vontade de criar e colaborar com a Doutrina Espírita. Parece-nos, à primeira vista, que ainda não é chegado o momento. Tudo em seu tempo. A colheita só vem depois da sementeira. É imperioso dela não desistir, contribuindo sem esperar retribuição.
Tenho insistido na divulgação da música espírita e tenho tido alguns êxitos. Não pretendo desistir.
Tenhamos paciência porque esse quadro vai se renovar. A Lei do Progresso é uma Lei Divina. Então, até lá, devemos amar, trabalhar, esperar e perdoar.
Temos muito ainda o que discutir e aprender.
Fé no futuro e consciência cristã. Esse é um bom lema.

Tim

9 comentários:

  1. Olá, Tim e Vanessa!

    Muito boa e interessante a reflexão.

    Vamos criar um link de seu blog em nosso:

    http://www.anima.mus.br/blogganima/

    Um grande abraço!

    Até o AME, ou quem sabe antes.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns!!!

    Tim e Vanessa,

    Sou evangelizadora do Rj e estarei no Ame para ver de perto o trabalho de vocês....a música que conheço é Juventude e vida!!!

    Abração!!!

    ResponderExcluir
  3. A arte, como expressão da sensibilidade do artista, a forma pessoal do autor, dos artistas em interpretar o que está no seu foco.Temos tantas obras por serem descortinadas ao nosso redor, porém muitas vezes fora do nosso alcance devido à falta das antenas devidamente programadas para captar o que realmente é belo e bom, desperdiçando oportunidades de colocar nossos talentos a serviço do Cristo na evangelização do homem. É importante que estejamos buscando esta sintonia para melhor servirmos. Tenho certeza de que com o estudo e dedicação, conscientes da nobreza dos objetivos que nos movem, conquistaremos as chaves para a exposição das pequenas partes da grande obra do Pai. Parabéns pelo trabalho e pelo chamamento à reflexão.

    ResponderExcluir
  4. Olá!

    Não posso dizer que sou um artista ainda, pois estou no começinho da caminhada!

    Somente agora parei para pensar no assunto. Muitas vezes nós tomamos por alguém super-humano o espírita e esquecemos de que ele poderia não compreender, gostar, aplaudir qualquer trabalho. As vezes existe esperança por um aplauso que seria falso talvéz e quando vem o contrário vem junto com a força do desengano...

    Porém, no meu caso (não posso falar pelos outros), uma ausencia de crítica me ajudou quando eu era mais principiante ainda... Funcionou como um incentivo, me falaram para continuar enquanto todos estavam querendo tampar os ouvidos de tão horrível que estava o som (no meu caso). Mas hoje está agradável...

    Temos que tomar cuidado com o meio de onde vamos expor essa nossa arte, as vezes o meio não está preparado pra isso, mesmo sendo espírita!!!

    abraço!

    ResponderExcluir
  5. Olá Tim e Vanessa!!

    Adoro as músicas são lindas, estamos cantando em nosso grupo de música algumas delas, estamos no início, contentes e incentivados ao escutar tão belas músicas!
    E quanto a reflexão é de vital importância!!!

    Um Abraço Fraterno de todos que fazem a Arte e Música do Centro Espírita Irmã Angélica - Olinda - PE

    ResponderExcluir
  6. Nayara - Diamantina22 de outubro de 2009 16:42

    Amo vcs de coração.
    Parabens pelo trabalho maravilhoso que vcs fazem de divugação da doutrina.
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Pooxa... lindo o texto, me encoraja a seguir estudando música e a aliar isso com o Espiritismo

    Admiro muito vcs, o plantio é muito árduo as vzs, mas a colheita smp vale a pena...

    Abraçãão

    ^^

    ResponderExcluir
  8. Sueli disse...

    Olá tim e Vanessa, adorei te-los ouvido,no centro espírita que eu frequento, eu não conhecia nenhuma música que fosse mais perto da nossa doutrina.O nosso companheiro de jornada nos presenteou com o cd de vocês e adoramos e passamos a tocá-lo na casa antes de começarmos o nosso trabalho.Parabéns!Que Deus os ilumine sempre.

    ResponderExcluir
  9. olá, é realmente isso q acontece, nem sempre as pessoas estao preparadas para a musica nas casas espiritas isso dificulta, pois nao abrem espaço para que possamos mostrar nossa arte, mas é tambem um desafio para a evoluçao, e nao podemos desistir de imediato,sempre temos ajuda do plano espiritual,e estaremos contribuindo de toda forma se cultivarmos a humildade e o animo, e a perseverança. abraços!

    ResponderExcluir